Tenossinovite de De Quervain

A tenossinovite de De Quervain ocorre quando o primeiro compartimento se torna inflamado o suficiente para apertar os tendões e impedir o seu deslizamento suave.

A maior parte dos pacientes é do sexo feminino, com idade acima dos 40 anos ou no período próximo à menopausa. Nessa fase, as mulheres apresentam uma irregularidade hormonal que provoca a retenção de líquido no corpo. Isso causa o inchaço na mão (bainha dos tendões), e consequente travamento dos tendões. Pela mesma razão, gestantes e mulheres que estão amamentando também apresentam um risco maior de apresentar a doença.

Imagem Tenossinovite de De Quervain

O que é Tenossinovite de De Quervain?

A Tenossinovite de De Quervain é um processo inflamatório dos tendões da base do polegar. Diferente das outras tendinites do punho, conhecidas por LER (lesões por esforço de repetição), nesse caso existe uma causa específica, não causada pelo esforço contínuo, porém o esforço exagerado pode piorar a dor.

Por que a Tenossinovite de De Quervain ocorre no punho?

Os tendões do punho são como longas cordas que conectam os músculos do antebraço com os ossos da mão. Eles têm a função de esticar (estender) o punho e os dedos. Ao chegarem à porção final do antebraço os tendões se dividem em seis túneis, que são chamados de compartimentos.

Tais compartimentos têm a função de segurar os tendões perto do osso, dando a direção correta do movimento, aumentando a força e diminuindo o gasto de energia. Quando o dedo se move, isso ocorre porque o músculo se contrai e o tendão desliza. Esse movimento se faz de forma suave e com pouco atrito. Tanto os tendões, quanto os túneis por onde eles passam, são envoltos por uma membrana, chamada de Sinovial. Ela produz o líquido sinovial, que diminui o atrito entre os tecidos, agindo semelhante a um óleo lubrificante.

O primeiro compartimento, que contém os tendões dos músculos Extensor Curto do Polegar (EPB) e Abdutor Longo do Polegar (APL), é mais justo que os outros. Não há espaço sobrando. Então qualquer processo inflamatório dentro desse compartimento dificulta o deslizamento dos tendões. Isso causa dor e piora a inflamação e, quanto mais o tendão é bloqueado, mais inflamado ele fica entrando num círculo vicioso.

A tenossinovite de De Quervain ocorre quando este primeiro compartimento se torna inflamado o suficiente para apertar os tendões e impedir o seu deslizamento suave.

Quais são as causas da Tenossinovite de De Quervain?

Não existe uma causa única e na grande maioria dos pacientes não se descobre uma razão específica.

Não existe comprovação de que movimentos repetitivos, como digitar no computador, apertar ou torcer objetos, ou até escrever em demasia, possam causar a tenossinovite. O que se observa é que eles podem piorar os sintomas após a pessoa já apresentar a doença.

Existem fatores que aumentam a possibilidade de desenvolver a tenossinovite. A maior parte dos pacientes é do sexo feminino, com idade acima dos 40 anos ou no período próximo à menopausa. Nessa fase, as mulheres apresentam uma irregularidade hormonal que provoca a retenção de líquido no corpo. Isso causa o inchaço na mão (bainhados tendões), e consequente travamento dos tendões. Pela mesma razão, gestantes e mulheres que estão amamentando também apresentam um risco maior de apresentar a tenossinovite de De Quervain. Algumas doenças sistêmicas também causam tenossinovite no punho, como artrite reumatoide, gota e diabetes.

Quais são os sintomas?

Os sintomas começam com um desconforto na base do polegar, principalmente ao realizar movimentos laterais do punho com o polegar dobrado. A dor pode aparecer de maneira gradual ou repentina.

A área lateral do punho é dolorosa ao ser palpada. Pode existir um aumento de volume no local, isso é resultado do aumento de produção de líquido sinovial. Por se localizar próximo ao rádio (osso do punho) e ter a consistência endurecida, algumas vezes esse abaulamento pode ser confundido com um tumor ósseo.

Em alguns casos, pode ser percebido ao toque o atrito dos tendões ao se realizar movimentos do punho.

Geralmente, no início, os sintomas são piores pela manhã, ou nos primeiros movimentos após despertar. Isso porque durante a noite as mãos se tornam mais inchadas, pela redistribuição dos líquidos no corpo, já que durante o dia eles se acumulam nas pernas (pela ação da gravidade).

Numa fase avançada, o paciente não consegue segurar objetos ou realizar qualquer movimento que utilize o polegar. Nessa fase o paciente se sente mais confortável quando imobiliza o punho e o polegar.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito pelo médico ao examinar a mão do paciente.

Geralmente, quando o caso é típico, o diagnóstico é bem óbvio. Pode-se observar a dor e a incapacidade que o paciente tem ao utilizar o polegar. Existe um exame clínico chamado de Teste de Filkenstein, que é uma manobra que se realiza com o polegar dobrado na palma da mão e se faz um desvio lateral do punho (dobrar para o lado do dedo mínimo). Pacientes com a Tenossinovite de De Quervain apresentam um grande desconforto no punho ao se realizar tal manobra.

Às vezes, quando a doença já está numa fase avançada, a dor pode irradiar para o antebraço e ir até o cotovelo, já que é esse o sentido da musculatura e dos tendões comprimidos.

A maioria das vezes não é necessária à realização de exames complementares. Porém, em casos de dúvida, uma ecografia pode ser feita. Ela mostrará a compressão do tendão e o processo inflamatório do local. As radiografias são normais, já que não há lesão óssea.

Quais são as opções de tratamento?

Infelizmente existem poucas opções. Nos casos iniciais pode ser feita uma tentativa de Tratamento com uma infiltração local com corticoides e anestésicos. Isso diminui a inflamação dos tendões e o volume. Assim eles deslizam novamente por dentro do compartimento, sem atrito. Porém, geralmente, esse é um tratamento paliativo, e após cessar o efeito do medicamento, os sintomas podem voltar. Com a infiltração, nos dois primeiros dias o paciente pode relatar uma piora da dor, devido ao volume do medicamento injetado. Após dois ou três dias, os sintomas melhoraram e o resultado é avaliado em um mês.

Não se podem fazer várias infiltrações no mesmo local. Os corticoides, que diminuem a inflamação dos tecidos doentes, também causa o enfraquecimento dos tendões sadios, aumentando o risco de ruptura. Quando a infiltração não tem um bom resultado, e nos casos em que a doença está mais avançada, o tratamento de escolha é a cirurgia.

Essa conduta é um pouco diferente nas gestantes ou nas pacientes que tiveram filhos há pouco tempo. Nesses casos, o tratamento deve ser menos invasivo, já que a causa da tenossinovite, que é a irregularidade hormonal, irá desaparecer em algumas semanas.

O procedimento cirúrgico é realizado com anestesia regional (no punho e mão) e pode ser dado um sedativo leve. É utilizado um garrote no braço, para evitar sangramento no local da cirurgia. O procedimento é geralmente ambulatorial, ou seja, o paciente não precisa dormir no hospital, saindo após um pequeno período na sala de recuperação anestésica.

Na cirurgia, é realizada uma incisão de mais ou menos dois centímetros no dorso do punho, em linha com o polegar. Após, é feita a abertura do teto do primeiro compartimento extensor, criando mais espaço no seu interior. A sua abertura não causar problemas ao paciente, pois existem outros túneis que vão até a ponta do dedo. Durante o procedimento deve-se ter cuidado para não lesar os ramos do nervo radial, que dão a sensibilidade do dorso do polegar, e passam muito próximo da incisão.

Após é feito o fechamento e colocado um curativo volumoso, para proteger e evitar que a mão inche.

Outras tentativas de tratamento, como a fisioterapia, a acupuntura, o uso de gelo ou de medicação oral (anti-inflamatórios) podem melhorar os sintomas, mas são pouco duradoras e não impedem a evolução da doença. O uso de talas e órteses também geram alivio ao paciente, mas causam a imobilidade das articulações, e consequentemente rigidez articular e atrofia muscular. Por isso, não é indicado o seu uso por um longo período.

Como é depois da cirurgia?

Mesmo com a colocação do curativo é permitido e aconselhado o paciente movimentar livremente os dedos da mão. Isso deve ser realizado especialmente com a mão elevada, evitando o inchaço dos dedos. O que não deve ser feito é realizar força, como levantar uma sacola pesada.

O primeiro curativo é realizado até 7 dias após a cirurgia, sendo trocado por um mais leve. Com 10 a 14 dias de cirurgia, são retirados os pontos e é permitido ao paciente molhar o ferimento. Após isso, o paciente está habilitado a realizar todas as atividades, inclusive esporte.

Às vezes é indicado massagear a cicatriz com creme hidratante. Isso diminui o edema e o risco de possíveis aderências dos tendões na área da cirurgia.

Após a cirurgia a Tenossinovite de De Quervain pode ocorrer novamente?

Após ser realizada a cirurgia não há mais risco do problema retornar. O compartimento uma vez aberto, irá cicatrizar novamente, mas não se fechará de forma tensa. O que pode acontecer, e isso não tem como ser evitado, é que outro lado pode ser acometido.

Necessita de fisioterapia depois da cirurgia?

Normalmente não é necessário um programa formal de reabilitação, numa clínica de fisioterapia. O que se faz é dar para o paciente um folder com os exercícios que devem ser realizados em casa. Em alguns casos, quando paciente tem dificuldade de realizar os exercícios sozinho ou quando ele permaneceu durante muito tempo sem realizar movimentos, o uso de uma fisioterapia específica pode ser necessário.

Resumidamente, a reabilitação é com a recuperação da mobilidade, exercícios de alongamento, uso de gelo e massagem local para diminuir o edema. Numa fase final serão feitos exercícios para ganho de força.

Conheça outras doenças relacionadas a dor na mão:

Experiência e Técnica,
Conheça nossos especialistas

Imagem Dr. Ricardo Kaempf
Dr. Ricardo Kaempf
CREMERS 23655
Imagem Dr. Leohnard Bayer
Dr. Leohnard Bayer
CREMERS 25062
Imagem Dr. Rafael Praetzel
Dr. Rafael Praetzel
CREMERS 22652
Imagem Dr. João Brunelli
Dr. João Brunelli
CRM RS 41435

Instituto da Mão

Cirurgia da Mão em
Porto Alegre

O Instituto da Mão é o fruto de uma vocação iniciada na década de 90. Ainda no período de formação na área de ortopedia , dois colegas descobriram o gosto pela área , que ainda não constituía uma especialidade médica independente. Coincidindo com o final de suas formações, a regularização da especialidade , além de várias exigências, culminava com a realização de prova teórica e prática nacional para adquirir o título de especialista, na qual Dr. Ricardo Kaempf foi o primeiro lugar, seguido pelo Dr. Rafael Praetzel. Assim começava o Instituto da Mão

Imagem Equipe Instituto da Mão

Sofre com dores nas mãos?
Agenda uma consulta com um especialista.